sábado, junho 30

Há palavras que não as pode levar o vento.

Sempre digo que não sou uma pessoa de palavras fáceis.
Todas elas têm (sempre, ou quase sempre) o seu significado e a sua escolha decorre de uma observação silenciosa (mas atenta) da realidade circundante.

As que aqui venho propositadamente guardar da voracidade da espuma dos dias, são as que me inspira esta candidatura do Pedro Nascimento Cabral: contemporânea, mas assente em princípios ideológicos que me são muito próximos e capaz de recuperar, o que na opinião de muitos entendidos na matéria, faz falta à direita do espectro politico açoriano.

"Não sou pelo poder.
Não vou pela sebenta.
A doutrina, apesar de tudo, já não o é.
Acredito na vontade de fazer melhor, transportada apenas pelas pessoas que não se deixam idolatrar.
O futuro começa hoje" (sem . propositadamente também)

sábado, maio 26

A propósito de um “CORPO TRIPLICADO”



1. Regressei ao ARCO 8. Apesar de já lá não ir há muitas luas, foi como lá estivesse estado na noite anterior. Tocou-me a alma. Foi uma grande emoção!
O espaço. A música. As histórias. Os “comebacks”. E a mistura amarela.

2. Revi amigos de quem já tinha saudades, Falamos de turismo. Algumas ideias que esperam melhores dias. Frustrações que um dia desaparecem, não se preocupem.

3. Recolhi ao meu íntimo e secreto desejo de concluir um projeto de longa data. Foi a parte fd***d*.

Enfim, uma triplicação.

Do livro, ainda só me atrevo a percorrer uma rua de “Sentido Único”:
                “Na minha casa não há roupa fora de uso, fotografias antigas, recordações de viagens, revistas desbotadas, recortes de jornais, bilhetes de amor, recibos de compras, artigos decorativos, vasinhos de plantas ou animais de estimação. Livro-me das coisas inúteis como me livro dos amigos hipócritas e dos amantes incompetentes. Sem remorso e sem saudade.”


É coisa para dizer parabéns, Ma-ri-a

terça-feira, fevereiro 6

Eléctrico Utópico

Num tempo em que urge (re)pensar a nossa mobilidade, aproveito para resgatar esta utopia com autoria de Diego Ares.

quarta-feira, janeiro 10

ARIGATO - 10 ANOS DE SUSHI EM PORTUGAL


São boas notícias para os aficionados do peixe cru em arroz avinagrado. 

O sushi, esse grande statement à escala mundial da cultura do país dos samurais, vê-se agora retratado em Portugal pelas mãos de Cristina Cordeiro, jornalista, escritora deliciosa, autora do livro "Manuel António de Vasconcelos: Pioneiro da Arquitectura Modernista" e que, na opinião do DN, “tem uma voz de menina e parece que se espanta a cada frase”.

O livro “ARIGATO 10 ANOS DE SUSHI EM PORTUGAL” da autoria de Cristina Cordeiro, com a fotografia de Ricardo Oliveira Alves e o design de Ivone Ralha, é lançado já no próximo dia 16.

O projeto surgiu a convite do Arigato, que comemora por esta altura dez anos, mas o conceito da obra rapidamente transcendeu a ideia inicial. Ao longo do último ano, Cristina Cordeiro traçou a história da cozinha japonesa em Lisboa desde os longínquos anos 80, tendo entrevistado os pioneiros da restauração nipónica, e construído toda uma narrativa que termina com uma entrevista ao embaixador do Japão e uma cronologia das relações Portugal-Japão, do século XVI até aos nossos dias. 

Uma verdadeira aventura!